Afinal, você sabe o que são medicamentos antroposóficos?

Afinal, você sabe o que são medicamentos antroposóficos?

Cuidar da saúde é algo muito importante, especialmente em tempos nos quais o estilo de vida é altamente propício para o surgimento de diversas doenças. No entanto, nem todo mundo mais aceita apenas as formas tradicionais de tratamento, e é exatamente por isso que você precisa saber o que são medicamentos antroposóficos.

Para muita gente, essa alternativa acaba sendo a mais vantajosa, pois proporciona um bem-estar mais completo e duradouro e ainda conta com a ausência dos tão temidos efeitos colaterais.

Continue a leitura deste post e descubra tudo o que você precisa saber sobre os medicamentos antroposóficos.

O que são os medicamentos antroposóficos?

Os medicamentos antroposóficos são obtidos na natureza, feitos exclusivamente a partir de substâncias minerais, vegetais e animais. Não existe nenhum componente sintético, ao contrário do que ocorre com os remédios alopáticos comuns que você encontra habitualmente nas farmácias.

Outro ponto importante sobre os medicamentos antroposóficos é que eles não podem ser obtidos, por exemplo, de plantas geneticamente modificadas ou que usaram agrotóxicos, fertilizantes químicos ou herbicidas sintéticos no seu processo de cultivo. O intuito, portanto, é que seja tudo o mais natural possível.

O que é a medicina antroposófica?

Já a medicina antroposófica tem a proposta de utilizar os medicamentos antroposóficos como uma abordagem complementar à medicina e à indústria farmacêutica comum, que busca integrar a técnicas modernas com as terapias que se baseiam em recursos usualmente disponíveis na natureza.

Tenta-se uma abordagem pretensamente holística, que busca incluir os mais diversos fatores que sustentam a saúde humana, reforçando a fisiologia do paciente e a sua individualidade em vez de apenas tratar apenas a doença. Em linhas gerais, é uma terapia que tenta aumentar a capacidade do paciente se curar.

Quando os medicamentos antroposóficos começaram a ser produzidos?

O uso dos medicamentos antroposóficos teve início na década de 1920, com Rudolf Steiner e Ita Wegman, criando uma extensão à medicina convencional em consonância com a filosofia espiritual da antroposofia. Tratamentos comuns como remédios alopáticos e cirurgias só seriam empregados em caso de necessidade extrema.

Os médicos antroposóficos precisam ter também a educação médica convencional, concluindo grau em uma faculdade estabelecida, retirando seu certificado médico. No entanto, deve complementar o seu conhecimento com o estudo das práticas antroposóficas, atualmente presentes em 80 países pelo mundo.

Quais são as diferenças para os outros medicamentos?

Os medicamentos antroposóficos são dinamizados, ou seja, passam por processos que os diluem e agitam diversas vezes, chegando a concentrações muito discretas da substância que possui o princípio ativo. O intuito é despertar o potencial curativo, que fica naturalmente entorpecido na pessoa.

Existem também versões feitas a partir de tinturas de plantas, extratos secos e chás. Nos dias de hoje, a farmácia antroposófica já tem o reconhecimento do Conselho Federal de Farmácia e é oficialmente validada pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), com uma identidade própria para a sua categoria.

Gostou de saber um pouco mais sobre os medicamentos antroposóficos? Então assine a nossa newsletter e fique por dentro de outros conteúdos como este!

banners_guiahipolabor_post

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.