Curtindo as férias: 4 dicas para lidar com picadas de mosquitos!

Curtindo as férias: 4 dicas para lidar com picadas de mosquitos!

O verão é uma época muito aguardada pelos brasileiros. Sol, altas temperaturas, praia, água fresca e muitas atividades para praticar ao ar livre. Não restam dúvidas de que essa é a estação do ano preferida no nosso país.

Porém, nem tudo são flores. A chegada dessa época também tem seus problemas e traz seu lago negativo. Estamos falando do aumento da proliferação de insetos e as temidas picadas de mosquitos, que podem trazer coceiras, dor e manchas desagradáveis. Contudo, o problema não é apenas esse.

A preocupação maior, que vem chamando a atenção de médicos e das autoridades de vigilância sanitária, é a transmissão de doenças provocadas pelas picadas de mosquitos contaminados com uma variedade de vírus e o pior é que muitos ainda sequer são conhecidos.

Neste artigo, vamos apresentar as principais doenças transmitidas por picadas de mosquitos e como se proteger desse mal. Confira!

Quais são as principais doenças causadas por picadas de mosquitos?

O clima tropical típico do Brasil reúne condições perfeitas para a proliferação de insetos, que têm causado um cenário epidemiológico preocupante. Atualmente, a circulação de quatro vírus vem inquietando os brasileiros. Tratam-se de arboviroses, ou seja, são as doenças transmitidas por artrópodes (insetos, aranhas, carrapatos etc). No caso, todos são causados pelo mosquito Aedes aegypti. São eles:

  • Zika;
  • Chikungunya;
  • Dengue;
  • Febre amarela;
  • Malária.

O Ministério da Saúde estima que nos dois últimos anos foram registrados cerca de 205 mil casos de Zika e quase 300 mil de Febre Chikungunya. Acha muito alto? Pois saiba que a Dengue ainda é a campeã de ocorrências, tendo contaminado 2,8 milhões de brasileiros.

Vamos falar um pouco sobre cauda uma dessas doenças, a seguir. Confira.

Zika vírus

Esse vírus foi descoberto pela primeira vez no Brasil no ano de 2015. É transmitido pelo mosquito Aedes aegypti e o Aedes albopictus (eles também transmitem a febre de Chikungunya, como veremos mais à frente).

Sintomas:

  • febre;
  • dor nas articulações;
  • dor muscular;
  • dor atrás dos olhos;
  • erupções na pele;
  • conjuntivite.

O grande risco do Zika Vírus é a transmissão para mulheres grávidas. Estudos comprovaram que se a mãe for infectada tem grandes chances de o feto desenvolver microcefalia. Ele também pode causar a Síndrome de Guillain-Barré (que afeta o sistema imunológico e ataca as células do sistema nervoso periférico).

Febre de Chikungunya

A Chikungunya é uma doença infecciosa causada pelo vírus de mesmo nome e que é transmitida pela picada de mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus.

Sintomas:

  • febre alta;
  • dores nas articulações;
  • dores de cabeça;
  • dores musculares;
  • manchas e erupções na pele.

Dengue

É muito comum em países com clima tropical e, provavelmente, uma das doenças mais famosas transmitida pela fêmea do Aedes aegypti. A água parada somada ao clima quente e úmido é o fator chave para a proliferação do foco de contaminação. Atualmente, os cientistas já descobriram cinco tipos de dengue. Os mais comuns são os tipos 1, 2 e 3.

Por falar nisso, saiba aqui quais medicamentos não tomar em caso de suspeita de dengue.

Sintomas da dengue:

  • febre alta;
  • dor de cabeça;
  • náuseas e vômitos;
  • cansaço extremo;
  • manchas avermelhadas pelo corpo;
  • dores nos ossos.

Febre Amarela

A febre amarela urbana é uma doença infecciosa transmitida por mosquitos da espécie Aedes aegypti. Por sua vez, o tipo silvestre é causado pelos mosquitos Sabethe e Haemagogus.

Os primeiros sintomas são repentinos e duram cerca de 3 dias. O indivíduo permanece em estado de viremia, ou seja, presença de vírus no sangue circulante por até 7 dias após ter sido picado. Dessa forma, ele passa a ser capaz de transmitir o vírus para outros mosquitos.

Sintomas:

  • cansaço duradouro;
  • calafrios;
  • febre alta;
  • tontura, náuseas e vômitos;
  • mal-estar;
  • icterícia (o corpo adquire uma cor amarelada).

Malária

A Malária é muito comum em países da América do Sul e Central, devido principalmente ao clima e a grande quantidade de matas e regiões florestais ainda pouco habitadas. Ela é causada pela picada do Anopheles gambiae, responsável por transmitir o parasita Plasmodium.

Essa doença é muito séria. O parasita atinge primeiramente o fígado e pode migrar rapidamente para órgãos vitais, atingindo o cérebro da pessoa contaminada, causando o óbito em poucos dias. Isso é bem comum por sinal, uma vez que, os sintomas são percebidos de maneira lenta e o diagnóstico costuma ser feito tardiamente. Às vezes, os sintomas só são percebidos após 15 dias depois da picada.

Sintomas:

  • febre superior a 38 graus;
  • sudorese e calafrios;
  • delírios;
  • tontura e sonolência;
  • vômitos;
  • aumento do baço;
  • rigidez na região da nuca.

Como se proteger das picadas de mosquitos?

Confira algumas dicas de como evitar ser picado por esses insetos.

Use mosquiteiros

Telas de mosquiteiros podem ser instaladas em lugares estratégicos, como em janelas, portas da casa e próximos à cama, pois à noite eles costumam atacar mais. Essa barreira impede que os insetos atravessem a tela e entrem nos cômodos.

Utilize repelentes

Os repelentes, quando usados na pele, formam uma espécie de película que impede a aproximação do mosquito. Atualmente, existem diversas marcas disponíveis no mercado, desde as formas creme, loção, spray, aerossol e em gel. O ideal é aplicá-los pela manhã e fazer reaplicações ao longo do dia, a cada duas horas aproximadamente, ou então, de acordo com a orientação do fabricante.

Contudo, é preciso ter atenção ao uso, uma vez que não é recomendado que bebês de até seis meses de idade entrem em contato com esse tipo de produto. Isso acontece, pois eles liberam substâncias e princípios ativos químicos que podem ser prejudiciais ao desenvolvimento da criança.

Como amenizar os efeitos das picadas?

As picadas podem causar sintomas desconfortáveis, principalmente em pessoas alérgicas. Confira algumas dicas a seguir.

1. Banho frio

O banho frio ajuda a amenizar a coceira e a sensação incômoda causada pelas picadas.

2. Óleo de lavanda

Esse composto tem substâncias que aliviam a coceira e a inflamação.

3. Aloe vera

Esse creme ou gel, assim como a lavanda, pode ser aplicado na área atingida, proporcionando frescor e diminuindo a sensação de pele irritada.

4. Massagem com óleo de vitamina E

Faça massagens diárias na área atingida com óleos de vitaminas. Esse método evita o aparecimento de cicatrizes deixadas pela picada, além de hidratar a pele.

A melhor maneira de se proteger contra as picadas de mosquitos é a prevenção. Apesar de serem bem pequenos, eles podem causar grandes estragos para a saúde humana. Por isso, fique atento e mantenha a atenção redobrada, principalmente no verão e em regiões com muita mata. Em caso de algum sintoma, faça os exames e se cuide!

Compartilhe este artigo nas redes sociais e ajude os seus amigos a ficarem bem informados também!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.