Saiba quais as principais doenças causadas pelo colesterol alto!

Saiba quais as principais doenças causadas pelo colesterol alto!

Quando o assunto é colesterol, já pensamos em algo ruim para o corpo. No entanto, o que poucos sabem é que esse tipo de gordura é fundamental para o organismo, pois apresenta várias funções. Ele faz parte das membranas celulares e entra na formação da vitamina D, cortisol, testosterona e ácidos biliares.

Contudo, o excesso dessa substância é muito prejudicial. Existem várias doenças causadas pelo colesterol alto, como infarto, pressão alta, AVC, entupimento de artérias e veias, entre outras. Uma das causas é o alto consumo de alimentos ultraprocessados, como fast-foods, salsichas, queijos amarelos, biscoitos etc.

Isso pode ser verificado por meio de exames de rotina, já que ter colesterol alto é um problema de saúde comum. Ficou interessado no assunto? Quer saber as principais informações sobre o colesterol? Então, não perca o nosso post. Boa leitura!

O que é o colesterol?

O colesterol é um tipo de gordura que é encontrado em nosso organismo, sendo essencial para o bom funcionamento do corpo. Ele faz parte das membranas das células e está presente na pele, nervos, músculos, intestinos, fígado, cérebro e coração.

O nosso corpo utiliza essa substância para a produção de determinados hormônios, como os ácidos biliares, cortisol, estrógeno, testosterona e vitamina D. Aproximadamente 70% do colesterol é feito no próprio corpo, no fígado, e os outros 30% são derivados da dieta. Entretanto, ao ingerir quantidades grandes de alimentos gordurosos, o fígado produz uma quantidade de colesterol maior do que a normal.

Essa produção adicional leva a um nível que não é saudável e o excesso no sangue aumenta o risco de doenças do coração.

Quais os tipos de colesterol?

O colesterol é uma substância gordurosa e, por isso, não se dissolve em líquidos aquosos, incluindo o nosso sangue. Desse modo, para conseguir circular e atingir os vários tecidos e órgãos, ele necessita de um carregador. Isso é feito pelas lipoproteínas, como o VLDL, LDL e HDL.

Conhecer as diferenças entre o colesterol bom e ruim é importante para prevenir doenças e adequar os seus níveis no corpo.

LDL (Lipoproteína de baixa densidade)

O LDL é o famoso colesterol ruim. Por se tratar de uma lipoproteína de baixa densidade, ela se acumula mais facilmente nas paredes das artérias sanguíneas, podendo formar placas de aterosclerose. Isso dificulta o fluxo de sangue para alguns órgãos como cérebro e coração, aumentando o risco de AVC e infarto.

Os valores de referência são:

  • pessoas saudáveis: abaixo de 130 mg/dl;
  • indivíduos que apresentam algum quadro de risco: abaixo de 70 mg/dl.

HDL (Lipoproteína de alta densidade)

Esse tipo é reconhecido como o bom colesterol e, assim, é o único que precisa ficar alto no sangue. Ele é produzido pelo organismo, sendo muito importante para o bom funcionamento corporal. O HDL atua fazendo uma “limpeza”, levando o LDL para longe das artérias e de volta para o fígado para ser excretado.

Um nível adequado de HDL auxilia na proteção contra AVC e ataque cardíaco. Os valores de referência são:

  • ideal: maior que 40 mg/dl;
  • baixo: menor que 40 mg/dl para mulheres e homens.

VLDL (Lipoproteína de muito baixa densidade)

Esse tipo é produzido no fígado e a função principal é transportar triglicérides para outros tecidos. Ao serem liberados, as partículas de VLDL sofrem várias modificações no sangue, disponibilizando os triglicérides para serem estocadas no tecido adiposo ou usados como fontes de energia.

Os valores de referência são:

  • ideal: até 30 mg/dl;
  • alto: acima de 40mg/dl;
  • baixo: abaixo de 30 mg/dl.

Quais fatores elevam o colesterol?

Quais fatores elevam o colesterol?

 

Diversos fatores contribuem para aumentar o colesterol, como sedentarismo, diabetes, idade, obesidade ou tendências genéticas. Contudo, uma condição muito comum é a dieta, já que 30% do colesterol do corpo é proveniente da alimentação.

As gorduras, principalmente as saturadas que estão presentes em alimentos de origem animal, podem contribuir para elevar esse tipo de gordura, além de provocar outros malefícios como hipertensão, insônia, anemia, mau funcionamento do sistema imunológico, entre outros. Confira, a seguir, as causas do colesterol alto.

Má alimentação

Alguns alimentos ricos em gordura e sódio são grandes vilões de uma dieta saudável e contribuem também para o aumento do colesterol. Veja os principais exemplos.

Margarina

A margarina é fonte de gordura trans, que inibe a ação de enzimas específicas do fígado, o que favorece a síntese de colesterol. Por isso, é importante substituir esse alimento por outros mais saudáveis, como queijo cottage ou cream cheese light, que além de serem menos calóricos, proporcionam mais nutrientes como proteínas e cálcio.

Queijos amarelos

Os famosos queijos amarelos, como parmesão, mussarela, cheddar, emmental, coalho e prato apresentam grandes níveis de colesterol por serem de origem animal. Caso exista um consumo excessivo ou se a pessoa for predisposta, é possível aumentar o colesterol sanguíneo.

Eles também são prejudiciais para quem tem pressão alta, pois têm uma grande quantidade de sódio. Nesse caso, é preciso ter ainda mais cuidado com a frequência e quantidade ingerida.

Frituras

O preparo de alimentos à base de frituras pode provocar transtornos para a saúde, dando origem a problemas como o aumento do colesterol e doenças cardiovasculares. Um fenômeno que acontece na preparação é a oxidação, reação química causada pelo contato do óleo com o ar que altera os ácidos graxos insaturados dessa gordura.

Esses ácidos auxiliam na redução dos níveis de colesterol ruim. Outro efeito do problema é a diminuição da absorção de nutrientes e proteínas, como minerais e vitaminas. O recomendado é fazer preparações ensopadas, cozidas e assadas.

Carnes gordurosas

Quando uma pessoa come carnes gordurosas em excesso, como bacon, embutidos e miúdos, é possível ter um aumento no colesterol LDL. Esses alimentos apresentam uma quantidade maior de gordura saturada quando comparados às carnes brancas, como aves e peixes.

Por isso, ao se preparar carnes, é importante remover a gordura aparente, pois a substância consegue penetrar no interior do alimento durante a elaboração. Entre os tipos de preparo, dê preferência aos grelhados, ensopados, cozidos e assados.

Leite integral e seus derivados

O leite e seus derivados (creme de leite, queijos e manteiga) estão presentes em vários pratos, como quiches, empadões, sopas cremosas, doces, molhos, suflês etc. Apesar de serem deliciosos, também são fontes de calorias e gorduras saturadas. Por isso, uma boa opção é fazer algumas substituições. Dê preferência ao leite desnatado, iogurte natural, creme de ricota e requeijão light.

Sedentarismo

Assim como a má alimentação, a falta de atividades físicas colabora para aumentar os níveis de colesterol sanguíneo. Outros malefícios incluem o aumento das chances de desenvolver doenças como infarto, dificuldade para o coração bombear sangue e acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos.

Para evitar essas condições, pratique exercícios físicos 3 vezes por semana por cerca de 30 minutos. Boas opções incluem caminhada, corrida, natação, musculação, entre outras alternativas.

Histórico familiar

A sua mãe, pai ou até mesmo um parente mais distante tem o diagnóstico de colesterol alto? Então, é importante ficar atento. Isso porque nesses casos, o indivíduo tem uma propensão maior para desenvolver a doença. Portanto, procure um médico quanto antes.

Obesidade

Quem está com excesso de peso deve se preocupar com a saúde. As pessoas que apresentam o IMC acima dos 30 devem fazer, no mínimo, exames de sangue frequentemente para checar os níveis de colesterol. Aliar esse empenho a mudanças de hábitos alimentares é fundamental para uma vida saudável e tranquila.

Tabagismo

Os malefícios provocados pelo fumo vão muito além dos problemas respiratórios e pulmonares. Esse hábito também é responsável por aumentar o colesterol ruim, além de derrame e aterosclerose. O cigarro ocupa lugar entre os principais fatores de risco, e em pessoas que fumam constantemente, existe a necessidade de realizar o exame de dosagem de colesterol com uma frequência maior.

Quais os sintomas do colesterol alto?

Quais os sintomas do colesterol alto?

 

O colesterol alto é uma doença silenciosa. Ou seja, na maior parte das vezes ela avança sem que o indivíduo perceba. Isso quer dizer que é difícil identificar os sintomas. Entretanto, em algumas situações, o que acontece é a formação de manchas amareladas em volta dos olhos e nódulos nos tendões.

Eles são provocados por causa da formação de placas de gordura nas artérias, pois são decorrência do excesso de colesterol e indicam que a condição está em um estágio avançado. Outros sinais também podem ser percebidos.

Dormência e inflamação das extremidades

Esse é um dos sintomas que podem ser observados por quem sofre com o colesterol alto. Essa reação ocorre porque o acúmulo de lipídeos impedem a circulação adequada do sangue, o que diminui a transferência dos nutrientes e oxigênio até os músculos.

Halitose

O mau hálito também um sinal comum em quem tem problemas de colesterol. Já que a substância é produzida no fígado, o seu acúmulo em excesso prejudica o bom funcionamento do processo digestivo, o que se manifesta por meio de odores desagradáveis na boca.

Indigestão e sensação de peso

O desequilíbrio nos níveis do colesterol LDL se tornam um forte desencadeante de episódios de sensação de peso e indigestão. Os lipídeos em excesso no fígado e no sangue afetam o metabolismo, impedindo um bom processo digestivo, principalmente ao consumir alimentos muito gordurosos.

Dor de cabeça e enjoos

Assim que o colesterol começa a se depositar nos vasos sanguíneos, a circulação apresenta dificuldades e a oxigenação celular é interrompida. Esse problema se manifesta por meio de fortes dores de cabeça, perda de equilíbrio e enjoos frequentes.

Dor no peito e hipertensão

Ainda que a dor no peito esteja associada a várias doenças, o seu surgimento também tem a ver com os efeitos do colesterol alto. O acúmulo de gordura nas artérias dificulta o bombeamento do sangue e, assim, pode causar a hipertensão.

Problemas de pele

Alguns problemas de pele, como a urticária aparecem quando o organismo tem dificuldade em regular os níveis de colesterol. Essas condições se manifestam por meio do surgimento de inflamação e manchas avermelhadas.

Quais os problemas associados ao colesterol alto?

O alto nível de colesterol presente no sangue é um fator de risco para graves problemas futuros. O excesso aumenta as chances de desenvolver derrame e doenças cardíacas. Ao inibir a circulação, também pode provocar hipertensão e cálculos biliares.

Quais as principais doenças causadas pelo colesterol alto?

Quais as principais doenças causadas pelo colesterol alto?

 

O colesterol alto está relacionado a várias doenças cardiovasculares e, independentemente da causa, os riscos são os mesmos. O aumento dessa gordura no sangue aumenta as chances de aterosclerose e, por consequência, problemas nas artérias coronárias, além de outras enfermidades.

Confira, a seguir, as principais doenças resultantes de um nível de colesterol descontrolado.

Infarto

O infarto acontece pela falta de sangue nos vasos sanguíneos, o que causa a morte do tecido em decorrência da falta de oxigenação. Isso ocorre quando um vaso fica desobstruído pelo excesso de gordura, e o sangue não consegue retornar ao coração.

Nem todo mundo que sofre um infarto chega ao óbito. Para aumentar a chance de sobrevivência, é fundamental o atendimento médico eficaz. Os principais sintomas da doença são:

  • sensação de morte iminente, agitação e ansiedade;
  • ocorrência de vômito, náuseas, falta de ar e suor;
  • dor no peito que se irradia pelos braços, ombros ou mandíbula;
  • ardor no peito.

Para evitar o problema, é fundamental reduzir a exposição a fatores de risco, como vida sedentária, estresse, nível alto de colesterol, diabetes e obesidade.

Pressão alta

O excesso de gordura dificulta o fluxo do sangue pelos vasos sanguíneos de todo o corpo. O LDL fica depositado na parede do vaso e forma placas de gordura. Com isso, diminui o espaço que o sangue tem para passar, aumentando assim a pressão arterial.

Esse problema pode ser comparado com uma mangueira: quando abertura que está esguichando água é diminuída, o fluxo começa a sair mais forte. Logo, a alta pressão tende a danificar a parede das artérias e aumenta as chances de problemas cardiovasculares.

A doença é grave porque não apresenta sintomas, apenas a nível crítico, e o indivíduo está em risco de falência cardíaca. Os principais incluem:

  • dor no peito;
  • tontura;
  • zumbido no ouvido;
  • visão borrada;
  • falta de ar;
  • dor de cabeça.

AVC

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) surge quando um vaso sanguíneo cerebral se encontra obstruído e o sangue não chega a essa região. Existem dois tipos: o isquêmico e hemorrágico. O primeiro ocorre quando há uma obstrução de uma artéria, o que impede a passagem de oxigênio para as células do cérebro, que morrem.

Já o segundo acontece quando existe o rompimento de um vaso cerebral, causando hemorragia. É fundamental ficar atento aos sintomas para saber identificar um AVC e buscar ajuda médica o mais rápido possível. Quando mais cedo for tratado, melhores são as chances de recuperação. Os principais sinais incluem:

  • distúrbio sensitivo;
  • paralisia de um lado do corpo;
  • alterações motoras;
  • perda da sensibilidade de um lado do corpo;
  • perda de visão;
  • dificuldade para falar;
  • fraqueza de um dos lados do corpo.

Insuficiência cardíaca

A insuficiência cardíaca se dá quando o coração não bombeia sangue suficiente para atender as necessidades do corpo. A principal causa é a doença coronária, ou seja, pessoas que apresentam um infarto do miocárdio e, depois, evoluíram com enfraquecimento do músculo do coração.

Essa relação acontece quando o nível elevado de triglicérides e colesterol favorecem obstruções em artérias, levando a uma lesão do músculo cardíaco e o desenvolvimento de insuficiência cardíaca, mesmo sem infarto prévio.

Os sintomas da doença nem sempre são óbvios. Entretanto, em algumas situações os sinais são mais evidentes. Em decorrência da incapacidade do coração de bombear sangue de modo eficiente, é possível observar:

  • memória prejudicada;
  • confusão;
  • tosse com muco;
  • perda de apetite;
  • dificuldade para dormir;
  • cansaço e falta de energia;
  • inchaço das pernas e pés;
  • falta de ar.

Aterosclerose

A aterosclerose é o acúmulo de placas de colesterol, gordura e outras substâncias nas paredes das artérias, prejudicando o fluxo de sangue. Eventualmente, parte desses depósitos se soltam e entram na corrente sanguínea, espalhando-se pelo corpo.

Isso acarreta na formação de um coágulo em qualquer parte do organismo, seja móvel ou fixo, prejudicando outros órgãos. Nessa doença, as placas de gordura causam diferentes estragos, dependendo de onde comprometeram a circulação.

No cérebro, aumenta as chances de AVC. Já no coração, podem deflagrar infarto ou angina (dor no peito). A aterosclerose é perigosa, já que a evolução é silenciosa. Alguns indivíduos só descobrem a formação de placa de gordura quando uma artéria é desobstruída completamente e a pessoa precisa ser atendida imediatamente.

Quando apresenta sintomas, os mais comuns são:

  • aumento da pressão arterial;
  • cãibras;
  • dor no peito;
  • fadiga;
  • palpitação;
  • arritmia cardíaca.

É possível tratar o colesterol alto?

É possível tratar o colesterol alto?

 

Depois de conhecer tudo sobre o colesterol alto é comum ficarmos receosos. No entanto, é possível controlar o problema e eliminá-lo com mudanças de hábitos no dia a dia.

Mantenha uma alimentação saudável

O melhor tratamento para baixar o colesterol é manter uma boa alimentação, que deve ser pobre em gorduras saturadas e rica em fibras e grãos integrais. Alguns exemplos incluem legumes, verduras, produtos de soja, queijos brancos, linhaça, aveia e chia. Frutas como abacate, laranja, maçã, ameixa e limão contribuem para o aumento do colesterol HDL.

Pratique atividades físicas

Os exercícios físicos contribuem no tratamento de doenças cardíacas e do colesterol, pois auxiliam na perda de peso e diminuem o estresse. Para isso, faça atividades aeróbicas, como caminhada, corrida, natação ou ciclismo cerca de 3 vezes por semana, durante 30 minutos.

Para ficar divertido, convide um familiar para praticar com você. Uma alternativa é aproveitar pequenas oportunidades do dia para ser mais ativo, como usar as escadas em vez do elevador, fazer compras caminhando, arrumar a casa etc.

Mude o estilo de vida

Durante o tratamento, também é essencial parar de fumar e evitar ingerir bebida alcoólica, já que o álcool aumenta os triglicérides. O recomendado é tomar somente uma taça de vinho tinto diariamente, pois é rico em antioxidantes que favorecem o organismo.

Faça exames regularmente

Caso essas mudanças de hábitos não sejam suficientes para diminuir o colesterol, o médico poderá entrar com o tratamento medicamentoso. Logo, é necessário marcar uma consulta médica periodicamente para realizar exames e verificar se o colesterol está alto.

Desse modo, o profissional prescreverá o tratamento mais adequado para você evitar as doenças que colocam a vida em risco. Portanto, controlar os níveis desse tipo de gordura é fundamental para manter a saúde em dia.

Como é feito o diagnóstico do colesterol alto?

O colesterol alto pode ser diagnosticado em 3 casos: em um exame de rotina, quando existe histórico familiar do problema ou em situações de alguns dos principais problemas relacionados, como o sobrepeso e obesidade. Independentemente da situação, o especialista deverá solicitar alguns exames.

Veja, a seguir, o mais comum para identificar colesterol alto.

Lipidograma

O lipidograma tem o objetivo de verificar o perfil lipídico do indivíduo, ou seja, a quantidade de VLDL, HDL, LDL, colesterol total e triglicérides. Ele é solicitado para identificar os riscos de desenvolver doenças e auxiliar na orientação do tratamento ideal para cada pessoa, como um modo de impedir complicações à saúde.

Para determinar o perfil lipídico é necessário coletar uma amostra de sangue em laboratório, que pode ser realizada com ou sem jejum. Em geral, esse exame é solicitado para adultos a cada 5 anos. Contudo, se o colesterol estiver muito elevado ou se houver risco para doenças do coração, esse intervalo pode ser menor.

Alguns aspectos interferem no resultado do exame, como consumo de álcool e ingestão em excesso de gordura e açúcar. O ideal é que, nas 72 horas antes de começar o jejum, a pessoa se alimente normalmente para evitar alterações.

De maneira geral, os valores de referência são:

  • HDL: acima de 40 mg/dl;
  • triglicérides: abaixo de 150 mg/dl;
  • LDL: abaixo de 100 mg/dl;
  • colesterol total: abaixo de 190 mg/dl.

Agora que você já conhece as principais doenças causadas pelo colesterol alto, é importante evitar o problema. Por isso, mantenha uma alimentação saudável, pratique atividades físicas e evite fumar. Além disso, lembre-se de marcar uma consulta regularmente para que o médico verifique as taxas de colesterol no sangue e indique o melhor tratamento para você.

Gostou deste post? Então, assine a nossa newsletter e receba conteúdos diretamente em seu e-mail!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.