Quais são os riscos do aumento do nível de cortisol?

Quais são os riscos do aumento do nível de cortisol?

Já ouviu falar do hormônio do estresse? Praticamente todos os dias são veiculadas notícias em revistas, na televisão e na Internet sobre saúde e hábitos saudáveis. A maioria das pessoas vive em ritmo acelerado, trabalhando e lutando pela conquista de uma carreira de sucesso, mas se esquece de cuidar do bem mais valioso: a vida.

Neste post, vamos explicar o que é cortisol, para que ele serve e como ele se comporta no corpo humano. Além disso, vamos apontar os riscos do aumento do nível de cortisol no organismo, as razões pelas quais ele aumenta e em quais situações a sua elevação é normal ou não. Aqui, você vai descobrir o que acontece na prática de exercícios físicos e enquanto repousa, bem como a importância da qualidade do sono.

Deseja saber mais sobre os riscos do cortisol elevado e o que pode fazer para reduzir o seu nível? Prossiga!

O que é o cortisol?

Cortisol é um hormônio da família dos esteróides produzido pela glândula suprarrenal em resposta às condições estressantes às quais as pessoas se submetem no seu dia a dia. As glândulas suprarrenais, as quais têm formatos triangulares, ficam acima dos rins e desempenham papel fundamental para a manutenção da saúde, já que esses hormônios regulam funções importantes do corpo.

Um exame de cortisol consegue medir o nível do hormônio que é lançado na corrente sanguínea, o qual é realizado por que o hormônio ajuda a regular o sistema imunológico, a manter a pressão arterial e afeta os níveis de glicose no sangue. Ele ainda interfere no metabolismo dos hidratos de carbono, lipídios e proteínas.

A sua produção é regulada pela glândula pituitária que se localiza abaixo do cérebro. Para regular o cortisol deve-se ter cuidados com a alimentação, visto que o intestino comanda o corpo. Os alimentos mais indicados são leite e derivados, castanha, amêndoa, aveia, peixe, espinafre, brócolis, abacate e ovos. Eles devem ser incluídos no cardápio semanal para que produzam efeitos.

Ao contrário do que muitos acreditam por ouvir falar apenas dos seus malefícios, o cortisol não é um vilão. Ele é indispensável à sobrevivência humana e, por esse motivo, o organismo faz a sua secreção. No entanto, para ser beneficiado por essa secreção, é necessário entender alguns detalhes sobre a disfunção causada pelas pressões do cotidiano.

Por que o cortisol aumenta?

O aumento do cortisol gera o estado de alerta que foi muito útil ao homem no início das civilizações, já que eles enfrentavam os mais variados perigos para manterem-se vivos. Em épocas remotas, o pico de estresse foi muito útil para as fugas de animais selvagens ou de inimigos.

Portanto, ele garantiu a manutenção da espécie humana ao longo das eras e propiciou a evolução da sociedade para que ela chegasse ao ponto no qual estamos hoje. O cortisol tem função primordial para a sobrevivência, auxilia em diversas questões, por exemplo:

  • os ossos;
  • o sistema cardiovascular;
  • o sistema nervoso;
  • a cognição;
  • o dinamismo.

O problema é que na atualidade o cortisol conta com inúmeros estímulos o tempo inteiro. Situações no trânsito, desemprego, cobranças no trabalho, contas para pagar, exposição à violência e outras condições desfavoráveis interferem na produção desse hormônio. Todavia, existem outros fatores que elevam os seus níveis, e sobre as quais os indivíduos podem atuar:

  • ter alimentação rica em gorduras e carboidratos;
  • dormir menos do que é necessário;
  • evitar o estresse;
  • desenvolver maus hábitos de vida.

Se você for continuamente exposto a situações estressantes, não tiver uma alimentação saudável e sono de qualidade, o cortisol naturalmente vai subir e causar prejuízos à sua saúde. A glândula que secreta o hormônio se desgasta e ocorre a disfunção.

Durante a manhã, há um pico de cortisol para manter a pessoa em estado de alerta, e é nesse momento que o nível está mais alto. Com o passar do dia, esse nível diminui e o organismo vai sendo preparado aos poucos para o sono. Porém, se houver um pico de estresse, o corpo volta a produzi-lo imediatamente.

Então, é quando o indivíduo repousa que os níveis do hormônio estão mais baixos. Se os níveis de cortisol caírem muito, o hormônio adrenocorticotrófico entra em ação e estimulam a sua produção e liberação. Além do mais, o cortisol é liberado em momentos de nervosismo.

Quando os seus níveis estão normais, o hormônio ajuda o corpo com a redução das inflamações, contribui para o funcionamento das defesas, mantém a quantidade necessária de açúcar no sangue e faz com que a pressão arterial permaneça dentro da normalidade. Caso o cortisol esteja abaixo do seu nível normal, as pessoas passam a sentir:

Por estas razões, ele pode ser considerado o hormônio da vida, visto que também exerce função anti-inflamatória. A prática de atividades físicas normalmente eleva os níveis do hormônio. Entretanto, o segredo é manter o equilíbrio dos níveis de cortisol para ter saúde plena.

Desenvolver hábitos de alimentação saudável, ter boas noites de sono e praticar exercícios físicos diariamente são cruciais para atingir esse objetivo. A resposta do organismo ao estresse é a liberação do cortisol, que geralmente acontece quando um indivíduo fica inquieto, sofre um estado de exaustão prolongado ou passa por um momento de emergência.

O nível adequado de cortisol na corrente sanguínea pode ser mantido com a redução do desgaste ou dos fatores que causam estresse. Esse hormônio se relaciona com o estado emocional das pessoas, por isso, a redução da estafa é aconselhável, além das práticas de relaxamento, que liberam a endorfina e a serotonina e regulam o cortisol e melatonina produzida pela glândula pineal.

Por que a gravidez aumenta o cortisol?

Por que a gravidez aumenta o cortisol?

 

Normalmente o nível de cortisol se eleva durante a gestação, principalmente nas últimas semanas. A placenta produz um hormônio liberador de corticotrofina conhecido como CRH, que por sua vez libera o hormônio adrenocorticotrófico, estimulando a síntese do cortisol e elevando os seus níveis na corrente sanguínea da mulher gestante.

Porém, nesse caso, a saúde da grávida não é afetada como acontece fora da gestação. Também não existe nenhum efeito sobre a saúde do bebê, já que esse aumento é natural e providenciado pelo próprio corpo para manter a gravidez saudável, além de servir de auxílio no desenvolvimento pulmonar e cerebral do feto.

Os bebês prematuros, que nascem antes do tempo ideal, têm maiores probabilidades de apresentar dificuldades respiratórias. Por isso, quando há risco de parto prematuro, o médico obstetra faz a administração de corticoides sintéticos. Os medicamentos ajudam a desenvolver os órgãos do bebê para que ele tenha mais chances de sobreviver. Durante a gestão e no período pós-parto, a síndrome de Cushing não é uma ameaça comum.

Quais são os riscos do aumento do cortisol?

Os danos podem ser realmente graves, já que nos períodos de tensão excessiva, as glândulas suprarrenais elevam a produção do cortisol, noradrenalina e adrenalina.

Esse conjunto de fatores eleva o nível de açúcar no sangue, diminui a produção de insulina e a constrição dos vasos sanguíneos e acelera a frequência cardíaca. Os riscos do cortisol elevado são diversos, sendo que os níveis elevados podem causar sérias consequências:

  • infarto do miocárdio;
  • obesidade;
  • imunossupressão;
  • dores musculares;
  • queda de cabelo;
  • alteração do sono.

O cortisol também se eleva quando as pessoas fazem uso prolongado de alguns remédios corticoides, por existir tumor cerebral ou devido à disfunção nas glândulas suprarrenais. Entre outros efeitos negativos desse descontrole hormonal, está a infertilidade, o aumento de peso e da gordura abdominal, a retenção de líquidos, a irritabilidade, entre outros.

Alguns sintomas como manchas avermelhadas, estrias, pressão alta, fraqueza muscular e cicatrização prejudicada apontam para a necessidade de um diagnóstico preciso. Ao suspeitar da existência de uma disfunção, o médico pode requerer a realização de exames de sangue, saliva ou urina, tomografia, cintilografia, ressonância magnética do cérebro e do abdômen.

Se ficar comprovado que os níveis de cortisol estão muito elevados, o clínico geral pode receitar remédios e encaminhar para um endocrinologista. Uma avaliação mais profunda é realizada e pode culminar na realização de uma cirurgia. Nesse estágio, apenas o uso de alimentos naturais como inhame, aveia e linhaça são insuficientes.

Quais enfermidades são causadas pelo aumento do cortisol?

Quais enfermidades são causadas pelo aumento do cortisol?

 

O excesso de estresse e a incidência do conjunto de fatores já mencionados acabam desregulando várias funções do corpo humano e gerando consequências muito ruins. Veja a seguir alguns detalhes das enfermidades que atingem o organismo quando os níveis de cortisol permanecem elevados por um período muito longo!

Diabetes

O aumento dos níveis de cortisol no sangue causa diabetes devido aos estímulos que o fígado recebe para a produção de glicose. Essa doença surge pela insuficiência ou falta de absorção de insulina, a qual garante energia para a realização das tarefas diárias.

Osteoporose

A absorção de cálcio que é realizada pelas células ósseas é prejudicada e há uma redução significativa do colágeno. Os tecidos ósseos deixam de ser substituídos regularmente e as novas camadas criadas são não conseguem ser iguais àquelas que foram removidas pelo organismo.

Depressão

O aumento do estresse e da irritabilidade libera adrenalina constantemente no cérebro. Então surge um conjunto de condições que rebaixam o humor e geram distúrbios mentais persistentes levando à perda do interesse pelas atividades cotidianas. Diversos transtornos estão sendo identificados devido às péssimas condições existenciais da humanidade.

Colesterol alto

Verifica-se um aumento significativo na produção de gorduras pelo fígado, as quais são liberadas na circulação sanguínea. A consequência é a limitação do fluxo de sangue, o que pode ocasionar acidente vascular cerebral e ataques cardíacos graves levando o indivíduo ao óbito.

Perda muscular

A redução de músculos e a fraqueza são causadas pela redução na produção de proteínas que prejudica os tecidos musculares. Isso reduz a funcionalidade e a força, contribuindo ainda para a ocorrência de quedas e fraturas.

Hipertensão

Conhecida popularmente como pressão alta é responsável pela promoção do aumento dos níveis de adrenalina no sangue e gera a retenção de líquidos e sódio no corpo. Torna-se uma doença crônica que eleva a pressão sanguínea nas veias denominadas artérias ultrapassando o limite de 140/90 mmHg.

Imunodeficiência

As defesas do organismo são reduzidas e os médicos constatam que a pessoa está com a imunidade baixa. O organismo tem o seu sistema imunológico fragilizado permitindo o desenvolvimento de outras doenças que podem ser passageiras ou crônicas, de modo que é essencial aumentar a imunidade.

Síndrome de Cushing

Surge uma série de anormalidades clínicas devido à produção elevada do hormônio adrenocorticotrófico. Podem aparecer estrias roxas ou rosas, bola de gordura entre os ombros, obesidade no tronco, braços e pernas finas, hematomas e feridas. Nesse caso, pode ser indicada a cirurgia e a radioterapia.

Como você pode ver, há diversos riscos associados ao aumento do cortisol no sangue. As mulheres podem sofrer alterações nas cordas vocais ficando com a entonação mais grave e sofrer com o excesso de pelos no rosto e no peito devido à elevação da presença de hormônios masculinos em seu corpo. O ciclo menstrual também se altera e diminuem as chances de engravidar.

Por fim, outros efeitos negativos também estão associados ao cortisol elevado, tais como a insônia, o cansaço, a perda de memória, a dificuldade de aprendizagem e concentração, a diminuição da libido, a presença de oleosidade e acne na pele, trombose, ansiedade, ataques de pânico e diversos transtornos psiquiátricos e psicológicos. 

Como reduzir o nível de cortisol no organismo?

Como reduzir o nível de cortisol no organismo?

 

Existem diversos tipos de tratamentos para reduzir o nível de cortisol no organismo. Entre as alternativas naturais, você pode optar por obter os benefícios de uma boa noite de sono. Se tiver dificuldades com insônia, aproveite para pesquisar um pouco sobre remédios sem receita que ajudam a dormir.

Utilize remédios para a ansiedade somente se eles forem receitados pelo seu médico. Dê preferência para a realização de mudanças no seu estilo de vida, incluindo nos seus compromissos diários a prática de exercícios físicos, o consumo de alimentos saudáveis e evite situações que possam desencadear o estresse.

Caso o seu problema seja o uso prolongado de corticoides, procure retirá-lo aos poucos e sob o monitoramento de um especialista. Mas se for verificada a presença de um tumor você vai precisar de tratamentos específicos para o controle das taxas de cortisol e de cirurgia para a retirada. Para evitar a elevação do cortisol, confira as dicas a seguir!

Pratique atividades físicas

Embora os exercícios físicos sejam aconselhados para ter um organismo saudável e controlar a obesidade, a intensidade do esforço precisa ser controlada para evitar problemas maiores. Se você está com o nível de cortisol alterado, as alterações da frequência cardíaca devem ser monitoradas por meio de sensor.

Não pule refeições durante o dia

Pular as refeições poderá causar tonturas e desmaios devido à falta de energia. Talvez seja importante uma reeducação alimentar, com a ingestão de alimentos que sustentem o organismo, mas simplesmente deixar de comer uma refeição sem orientação médica faz mal a saúde. Além disso, o nível de estresse ficará elevado e as chances de exagerar na próxima refeição aumentam muito.

Evite ter sono irregular

O sono é composto por ciclos e cada um deles contribui para o conforto e a saúde dos indivíduos. Caso você tenha dificuldades para dormir, acorda várias vezes durante a noite, ou perde o sono durante a madrugada, precisa mudar a sua rotina para tentar melhorar.

Tenha um horário certo para ir para a cama, reduza a iluminação e os ruídos, use técnicas para relaxar, tente fazer a leitura de um livro e evite o uso de aparelhos eletrônicos durante 30 minutos antes da hora de dormir. Não assista a filmes ou séries de ação antes de se deitar.

Procure não se estressar com a rotina

É importante trabalhar realizando tarefas que sejam agradáveis e façam bem para o seu sistema emocional. Escolha fazer aquilo que gosta e mantenha as atividades organizadas em ordem de prioridade, com estabelecimento de prazos que devem ser registrados e seguidos. Não é preciso fazer descrições detalhadas, mas estipular metas a serem cumpridas diariamente para não ficar sob pressão contínua.

Trate adequadamente infecções e inflamações

Elas são comuns no dia a dia, mas precisam ser diferenciadas. As inflamações são uma resposta do corpo a batidas ou cortes, ou do sistema imunológico quando as células de defesa agridem o organismo. Elas causam o aquecimento da área agredida, dor, inchaço, vermelhidão e elevação dos níveis de cortisol.

Já as infecções são ocasionadas pelos agentes externos como fungos, parasitas, bactérias ou vírus. As células de defesa entram em ação e tentam combater os microorganismos agressores, originando o pus. Com isso, geralmente a pessoa apresenta sintomas como fadiga, febre, dor, diarreia, tosse etc.

As inflamações são tratadas com medicamentos antiinflamatórios que reduzem rapidamente o desconforto. Já as infecções precisam de tratamento de acordo com o tipo de microorganismo que atacou o corpo. Para as bactérias, receitam-se antibióticos, enquanto os vírus são combatidos com antivirais, os fungos com antifúngicos e os parasitas com antiparasitários.

Não consuma bebidas alcoólicas

O consumo de álcool é a causa de inúmeros problemas, pois a substância causa danos a curto e longo prazo. Após a ingestão da bebida alcoólica, ocorre imediatamente a perda dos reflexos, confusão, comprometimento motor e dificuldades na fala. Contudo, no decorrer dos anos, o indivíduo que utiliza bebidas alcoólicas sofre outras lesões.

O funcionamento do corpo é atingido, o fígado é comprometido e deixa de metabolizar as substâncias. O pâncreas sofre processo inflamatório causando dores e o coração passa a apresentar arritmias. Sem falar nos distúrbios mentais e comportamentais, a deterioração cognitiva e os danos sofridos pelo sistema nervoso.

Elimine o excesso de café

Além de elevar os níveis de cortisol, a ingestão em excesso de café promove a insônia, dores no estômago e tremores. A cafeína também pode ser encontrada em refrigerantes e chás ou suplementos de academia. Fique atento para não ultrapassar o limite de 400 mg por dia, senão, você poderá sentir dores no peito, tontura, dificuldade para respirar, entre outros.

Exercite sua inteligência emocional

A inteligência emocional tem sido um tema debatido nas últimas décadas. Para viver bem, é preciso evitar pensamentos negativos e eliminar sentimentos destrutivos. Praticar a empatia e aprender a lidar com as pessoas, aceitando-as apesar de seus aspectos peculiares. Desenvolva uma postura mais pacífica em procure não reagir de modo inadequado quando for abordado por um assunto desagradável.

Tente entender as mensagens que estão sendo transmitidas e compreender a visão dos outros indivíduos, que normalmente, serão diferentes da sua. Absorva as informações, analise-as e responda depois de algum tempo. A resiliência é uma virtude que deve ser desenvolvida para evitar conflitos desnecessários. Saiba se posicionar e transmitir aquilo que pensa de forma clara e objetiva.

Todos precisam superar obstáculos, vencer dificuldades, solucionar problemas e sobreviver à pressão. Porém, a maneira como você encara as circunstâncias pode fazer a diferença no seu trabalho, no ambiente familiar e aonde quer que esteja. Por mais difícil que seja uma situação, tenha em mente que tudo é passageiro, e de qualquer modo, você precisa dar a volta por cima.

O que fazer se o nível de cortisol estiver muito elevado?

Tenha sempre em mente que o cortisol é a substância que prepara o organismo para enfrentar situações de luta, fuga, estresse e condições adversas. Ele é muito importante, todavia, pode ser bastante destrutivo se você não praticar o autocontrole das suas próprias emoções. A tranquilidade é a chave para manter o nível ideal desse hormônio na corrente sanguínea.

Caso você tenha alguma suspeita de que os seus hormônios estejam descontrolados e a aplicação das dicas fornecidas aqui sejam insuficientes, procure um médico. Somente um especialista pode fazer um diagnóstico completo, solicitar exames e receitar tratamentos adequados para casos de cortisol elevado.

Como já foi dito, cuide do seu sistema emocional. Se perceber que tem problemas de cunho psicológico, não permita que eles persistam ao longo dos anos e prejudiquem o seu organismo. Procure o auxílio de um psicólogo ou terapeuta, converse com pessoas, faça novas amizades, saia da rotina. Tenha vida social e procure vivenciar momentos prazerosos.

Enfim, agora você já sabe quais são os riscos do aumento do nível de cortisol no organismo! Desenvolva hábitos saudáveis, evite excessos e durma o suficiente para se sentir bem. São as suas escolhas atuais que vão determinar o seu futuro, evitar o surgimento de doenças e permitir a realização dos seus objetivos em todas as áreas!

Gostou do conteúdo? Então siga em frente e leia O que podemos aprender com a ayurveda? Tenha uma excelente leitura!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.