Hipolabor explica: Existe câncer no coração?

Hipolabor explica: Existe câncer no coração?

Problemas cardíacos e câncer são as principais causas de morte no Brasil, mas eles raramente aparecem relacionados. Isso acontece devido à baixa incidência do câncer de coração, que está entre 0,001% e 0,3% do total das neoplasias.

A maior parte dos casos da doença acontece devido a metástases que se originaram em outros órgãos. Além disso, quando há mesmo o tumor, ele costuma ser benigno.

A raridade da doença pode ser explicada pelas células que compõem o coração: o ciclo de divisão delas se encerra cedo e, sem divisão celular, as chances de multiplicação de maneira desordenada caem exponencialmente.

Mesmo assim, ainda é preciso ficar atento aos sintomas de câncer no coração para saber identificá-lo o mais cedo possível. Vamos lá?

O que é o câncer no coração

O câncer no coração pode ser de dois tipos: primário ou secundário. No primeiro caso, os tumores têm origem no tecido do coração, ou seja, surgem no próprio órgão. Já os tumores secundários são provenientes de metástases de outro câncer pré-existente, sendo este tipo o mais frequente.

Porém, mesmo que as metástases sejam o caso mais comum para tumores no coração, esse não é o órgão preferido para isso – geralmente os tumores aparecem somente quando o câncer já está em estado avançado.

Sintomas

Como o tumor cardíaco não tem pacientes específicos, como a maioria das doenças, qualquer pessoa pode ser acometida por ele. Além disso, os sintomas variam de acordo com a localização do tumor: se ele estiver na região do pericárdio ou miocárdio, por exemplo, pode levar a arritmia ou parada cardíaca.

As manifestações dependem também da cavidade cardíaca que foi comprometida. Falta de ar, embolia pulmonar, perda de peso e derrame são os sintomas mais comuns da doença. É importante ressaltar ainda que alguns casos de câncer de coração são assintomáticos, reduzindo as chances de descoberta do tumor.

Diagnóstico

Além de ser raro, o câncer no coração apresenta sintomas parecidos com os de outras doenças cardíacas, o que acaba dificultando o diagnóstico e a suspeita inicial.

Ecocardiograma, ressonância nuclear magnética e tomografia computadorizada do tórax são alguns dos exames realizados para detectar o câncer de coração. Quando o tumor é resultado de metástase, a doença já está em nível avançado, sendo agressiva. Devido a isso, o diagnóstico se torna mais fácil.

Tratamento

O tratamento para o câncer de coração tem como principal intuito eliminar o tumor da região afetada, além de reduzir a velocidade de progressão da doença. O método aplicado depende do tipo de tumor, da sua localização e extensão.

De maneira ampla, quando o câncer é primário, são usadas técnicas para reduzir o tamanho do tumor, sem intervenção cirúrgica, como radioterapia e quimioterapia.

Já para os tumores secundários, a opção mais indicada é a cirurgia, pois a doença já está em nível avançado, podendo não responder a outros tipos de tratamento, como a quimioterapia. Em ambos os casos, também são utilizados remédios específicos para o tipo de tumor encontrado.

Percebeu como é importante conhecer mais sobre o câncer no coração, mesmo que ele seja raro? Quer acompanhar outras dicas informações como estas? Assine agora a nossa newsletter e receba todas as novidades do blog diretamente no seu e-mail!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.