Hipolabor explica: saiba como combater a Síndrome do Pânico

Hipolabor explica: saiba como combater a Síndrome do Pânico

A síndrome do pânico é um transtorno com sintomas semelhantes a alguns problemas de saúde mais sérios, como ataques cardíacos, tumores cerebrais e esclerose múltipla.

Muitas pessoas com ataque de pânico chegam ao hospital acreditando que estão prestes a morrer e que algo muito grave está ocorrendo. Isso acontece porque os sintomas desse distúrbio são realmente severos.

Continue lendo para entender melhor sobre a doença e como ela deve ser tratada:

O que é síndrome do pânico?

Na linguagem psiquiátrica, a síndrome é chamada de transtorno do pânico, uma doença que se caracteriza por crises de desespero e medo agudos de modo inesperado e recorrente. A impressão da pessoa em crise é de que ela vai morrer naquele momento.

Os pacientes sofrem uma preocupação persistente de ter novos ataques, com medo de ter um ataque cardíaco, perder o controle ou enlouquecer. Eles não sabem quando uma crise acontecerá novamente, o que causa insegurança e ansiedade.

O transtorno do pânico é uma das manifestações da ansiedade patológica, que vai além da ansiedade comum, pois causa sofrimento excessivo e é desproporcional ao contexto.

Quais são os principais sintomas?

O que caracteriza o transtorno do pânico é a maneira inesperada como os sintomas surgem. Uma crise pode atingir seu ápice em apenas 10 minutos.

O medo intenso vem acompanhado pela sensação de perigo ou uma catástrofe iminente, como enlouquecimento ou uma morte súbita, além de pelo menos 4 destes sintomas físicos:

  • sudorese;
  • tremores;
  • dificuldade para respirar;
  • palpitações;
  • dor no tórax;
  • desconforto abdominal;
  • vertigem;
  • ondas de calor;
  • calafrios;
  • formigamentos.

Como combater a doença?

É difícil que um paciente consiga controlar por conta própria os ataques, que podem piorar caso não haja acompanhamento médico e tratamento adequado. O tratamento geralmente implica uma parte comportamental e outra medicamentosa, ou seja, por meio de psicoterapia com o auxílio de medicação.

Não é indicado tratamento apenas medicamentoso, pois o índice de recaídas é bem maior, já que é essencial trabalhar as questões psicológicas envolvidas por meio da terapia. Por outro lado, optar apenas pela terapia comportamental pode ser muito penoso para o paciente.

A terapia geralmente consiste em criar um programa comportamental de exposição, no qual o paciente é colocado em situações que provocam o pânico de forma gradual e progressiva, de forma que o indivíduo desenvolva sua capacidade de se habituar ao estresse.

As pessoas tendem a aceitar melhor esse tipo de tratamento quando combinado com o uso de remédios, como antidepressivos. É por isso que atualmente a técnica de combinar terapia e medicamentos é considerada a mais eficiente.

Com o tratamento, a melhora dos sintomas costuma acontecer entre 2 e 4 semanas, mas as alterações biológicas podem demorar vários meses para desaparecer por completo.

O paciente deve se tratar por no mínimo 6 meses, sendo o ideal chegar a 1 ano. Muitos interrompem o tratamento após os primeiros sinais de melhora, mas a maioria deles sofre recidiva em 4 a 6 semanas.

Por fim, vale lembrar que apenas um médico sabe dizer quais são a medicação indicada para cada caso, a dosagem correta e a duração do tratamento. Além disso, o medicamento nunca deve ser interrompido sem que o médico seja consultado.

Essas informações sobre síndrome do pânico foram úteis para você? Então assine nossa newsletter e receba mais conteúdos como este!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.