Hipolabor alerta: por que é importante ter atenção à medicação na gravidez?

Hipolabor alerta: por que é importante ter atenção à medicação na gravidez?

A utilização de medicação na gravidez é uma polêmica antiga. Esse procedimento deve ser respaldado por profissionais experientes no assunto, e conhecer os medicamentos proibidos, saber da importância de ingerir outros durante a gestação e tomar medidas de cuidado é essencial para evitar riscos ao feto.

Além dos cuidados com os medicamentos, é importante manter uma vida saudável, praticar exercícios físicos, curtir a gestação e diminuir as angústias e tristezas que podem surgir nesse período. Parece pouco? Na verdade, essas ações diminuem consideravelmente a utilização de medicamentos.

É claro que será necessário utilizar medicamentos em algumas situações, mas nessa hora é importante ter total atenção à gravidez. Confira as informações que reunimos a seguir:

Utilização medicamentosa na gravidez

Alguns medicamentos são fortemente recomendados durante a gravidez. Um exemplo disso é o ácido fólico, componente essencial para facilitar a formação do tubo neural que posteriormente dará origem ao sistema nervoso central e evitará a formação da espinha bífida.

Sua utilização é recomendada inclusive para as mulheres que desejam engravidar e deve ser interrompida após a 12ª semana de gestação, quando a estrutura neural já está definida.

Além disso, conforme o estado nutricional da gestante é aconselhado a administração injetável de vitaminas, compostos proteicos e alternativas funcionais, visando o crescimento saudável do bebê. Para esses casos, os especialistas devem ser consultados.

Orientações clínicas durante a gestação

As grávidas devem sempre consultar o médico e o farmacêutico para sanar suas dúvidas em relação ao uso de medicamentos na gravidez. Isso porque alguns produtos possuem restrição apenas durante um tempo na gravidez.

Medicamentos teratogênicos causam má formação fetal e precisam ser evitados no primeiro trimestre. Contudo, devido à necessidade e a avaliação farmacológica podem ser liberados nos meses seguintes.

Somente o médico de sua confiança e o farmacêutico com experiência no assunto poderão indicar as opções medicamentosas sem ocorrência de interações indesejáveis, conforme os sintomas apresentados, e propor condutas baseadas na relação benefício x risco.

Orientação farmacêutica nesse período

Sabendo que a gravidez é um período crítico para o binômio mãe-filho, é fundamental observar todos os aspectos que comprometam esse equilíbrio. Nesse contexto, são listados as principais enfermidades, os medicamentos e os comportamentos das gestantes.

Por isso, as principais orientações farmacêuticas se destinam à análise das informações contidas na bula, formas adequadas de armazenamento e situações que devem ser relatadas aos profissionais envolvidos.

Sempre que possível, leia as informações sobre a ação desses produtos farmacêuticos e dos que podem ser utilizados na gravidez. Assim como é crucial armazenar os produtos fora da incidência direta de luz solar ou em ambientes muito úmidos.

E caso seja percebido um sintoma que apareceu após a ingestão do medicamento, procure imediatamente ajuda médica para evitar desconfortos à mãe ou colocar em risco a saúde do bebê.

O uso de medicação na gravidez deve ser monitorado para evitar problemas futuros. É preciso estar atento aos medicamentos recomendados na gravidez, aos contraindicados e aos que merecem atenção médica. Também devem ser observadas as orientações do médico e farmacêutico para ter uma gravidez plena e saudável.

Gostou deste artigo? Quer receber outros conteúdos exclusivos em primeira mão? Assine a nossa newsletter e fique por dentro de outras dicas para cuidar da sua saúde!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.