4 perigos da poeira para a sua saúde respiratória

8 perigos da poeira para a saúde respiratória

O organismo está sujeito a uma série de perigos que não costumam ser muito visíveis nem são facilmente detectados a olho nu. E nesse cenário, a poeira é um dos fatores que mais adoece o aparelho respiratório e ocasiona sintomas desconfortáveis. Tosse, espirros e até um pulmão inflamado indicam que a saúde respiratória não vai muito bem. Uma das causas pode ser aquela poeira acumulada no seu quarto, ou até mesmo no seu ambiente de trabalho.

Nesse sentido, é preciso ficar atento. Afinal, a poeira pode conter parasitas (fungos e bactérias nocivos) e demais micropartículas que têm o forte potencial de gerar complicações no nosso corpo, principalmente para quem já apresenta histórico clínico de alergias e predisposição genética para desenvolver esse tipo de problema.

Quer saber mais sobre o assunto? Neste artigo, vamos abordar quais são os tipos de poeira, as doenças respiratórias que ela pode causar e os seus efeitos negativos para a saúde. Além disso, você vai aprender onde elas são mais encontradas e o que fazer para evitar o contato direto com essas partículas. Acompanhe a leitura!

O que é a poeira?

A poeira é basicamente uma partícula sólida que sofreu um rompimento mecânico (moagem, atrito ou impacto) e se reduziu a um tamanho menor, geralmente um pó ou um fragmento bem mais fino.

O tamanho e natureza dessas partículas são características importantes e devem ser observadas, uma vez que elas ajudam a detectar se essa substância é tida como perigosa ou não causa nenhum tipo de risco mais grave à saúde humana.

Nesse sentido, os fragmentos bem pequenos, finos e praticamente invisíveis ao olho humano costumam ter maior potencial de causar malefícios para a saúde. Isso porque eles são difíceis de serem detectados, mas apresentam um tamanho suficiente para serem inspirados e absorvidos pelo sistema respiratório — ficando acomodados no tecido pulmonar, pois o corpo não consegue expelir essa substância tão facilmente.

Contudo, nem sempre isso acontece. As partículas de amianto contêm um tamanho maior e mais robusto e também são extremamente nocivas para o corpo humano — se forem inaladas pelo sistema respiratório.

Além disso, a poeira pode ser dividida em algumas modalidades, como as minerais, alcalinas, vegetais e metálicas. Cada uma apresenta características próprias e níveis diferentes de risco para a saúde.

Qual é a composição da poeira?

A poeira pode ser composta por pequenas partículas orgânicas e inorgânicas. A variação entre a proporção de cada tipo de substância e composição química depende do ambiente onde ela se encontra, em regra.

Nesse sentido, a poeira doméstica é composta por uma mistura que costuma incluir resíduos do corpo humano, como pele morta — além de fibras de carpetes e de móveis, pólen das plantas, restos de partes de animais de estimação, restos de terra e sujeiras que grudam no calçado das pessoas nas ruas (e elas acabam trazendo para dentro de casa), partículas que são movimentadas pelo vento, entre outros elementos.

Por sua vez, a poeira presente no ambiente de trabalho pode ser mais prejudicial, uma vez que ela apresenta fragmentos de metais pesados, descartes industriais, restos de plásticos, silicones, pesticidas, agrotóxicos e demais compostos químicos prejudiciais à saúde.

A composição biológica da poeira se deve a pequenos grãos de partes de insetos, tais como asas e patas, pelos de animais e penas de aves. Assim, na composição, também podem ser encontradas partículas de microrganismos dos mais variados tipos. Entre eles estão os famosos ácaros, além de fungos e bactérias.

Quanto à parte inorgânica da poeira, é possível encontrar resíduos de pesticidas, fertilizantes e metais pesados. Um exemplo bastante recorrente na poeira em lugares cobertos de telhas de amianto é o próprio pó que se dissemina no local.

Onde a poeira costuma ser encontrada?

As poeiras estão localizadas em praticamente todos os ambientes, desde indústrias até residências. Ela pode ser considerada inofensiva, ou ter o potencial de causar muitos estragos para a saúde humana.

Nesse sentido, é possível que a poeira nociva e que costuma incomodar seja encontrada nos seguintes locais:

  • indústrias têxteis, de tecelagem, produtos sintéticos, minerais, siderúrgicas;
  • estaleiros de construção;
  • portos, depósitos aduaneiros, vias de navegação e instalações de comércio;
  • salas de fotocopiadoras/impressoras;
  • minas e minérios de ferro, calcário etc.;
  • salas com equipamentos que efetuam exames médicos de diagnóstico e imagem;
  • espaços de carga, descarga e movimentação de material a granel.

Quais são os principais tipos de poeira?

A poeira pode ser representada sob diversos tipos. Confira alguns exemplos.

Nanomateriais

Os nanomateriais são partículas extremamente pequenas, na ordem de 10-9m ou 1 nanômetro — que corresponde a um milionésimo de milímetro, ou seja, são invisíveis a olho nu.

Eles são constituídos por nanopartículas de diversos materiais nocivos e extremamente tóxicos, como dióxido de titânio, carbono, polímeros, silício, argila, sulfeto, nitreto, óxido de zinco, semicondutores etc. Isso significa que eles são substâncias prejudiciais, independentemente do composto exato com o qual são feitos.

Desse modo, os nanomateriais têm altas chances de serem absorvidos pelo sistema respiratório e cair diretamente na corrente sanguínea. E a partir daí, ele pode ser transportado para diversos órgãos vitais e ficar alastrado em tecidos. Já imaginou o perigo de inalar esse tipo de poeira?

Poeiras tóxicas

As poeiras tóxicas são resultado do processo de fusão ou de decomposição de materiais nocivos por eles próprios, como o chumbo, o mercúrio, o crómio, o amianto etc. Assim, a inalação dessas partículas pode ser extremamente prejudicial para o corpo humano, pois entram na corrente sanguínea e vão se instalar em diversas partes do corpo. Os efeitos causados pela sua absorção a médio e a longo prazo são preocupantes.

Poeiras incomodativas

Apesar de nocivas, elas são bem menos tóxicas do que os nanomateriais, por exemplo. Isso porque elas não conseguem ser facilmente absorvidas pelo organismo, além de estarem presentes em concentrações bem baixas. Dessa forma, as consequências gerais que elas causam são irritação na pele, alergias e congestionamento no trato respiratório.

A sua produção se dá pelo contato e manuseamento de determinados compostos, como: tabaco, açúcar, papel, gêneros alimentícios secos, cimento, serradura, grãos de café e chá, entre outros.

Poeiras inflamáveis

As poeiras inflamáveis são facilmente incendiadas e podem provocar pequenas faíscas que se transformam em chamas súbitas e grandes explosões — principalmente se estiverem em um ambiente seco e entrarem em contato com centelhas de fogo. Elas podem causar altas chamas ou, então, arder até a combustão em um processo demorado, mesmo depois de o mecanismo de ignição ter sido finalizado.

Poeira mineral

Esse tipo de poeira é causado principalmente pela decomposição de materiais em trabalhos de extração mineral, explosões, britagem de pedras e outros compostos. As partículas são uma das principais causadoras de mortes, doenças crônicas e graves, como o câncer e acidentes graves decorrentes do trabalho. Um dos principais exemplos nesse sentido é a poeira sílica livre cristalina.

Poeira alcalina

A poeira alcalina decorre do calcário — que é composto de carbonato de cálcio, hidróxido de cálcio e óxido de cálcio. Essa partícula tem o poder de causar irritação do nariz e pulmão, gerando tosse seca e espirros. Além disso, ela pode gerar diversas doenças pulmonares crônicas e irreversíveis, como a silicose e o enfisema pulmonar.

Esse tipo de poeira é muito comum em ambientes de trabalho insalubres, como nas minas de calcário. Ele é usado como matéria-prima para a fabricação de materiais de construção, como a cal e o cimento, além de servir como ingrediente na indústria de papel, plástico, de vidro etc. Esse composto é extraído, lavrado e processado em locais a céu aberto, devido ao custo de manutenção reduzido. No entanto, a lavra subterrânea também apresenta os mesmos riscos de contaminação por poeira alcalina.

Poeira vegetal

A poeira vegetal é proveniente de atividades predominantemente rurais e desenvolvidas em campos agrícolas.

Ela se origina do rompimento mecânico, do atrito e impacto de mecanismos sólidos durante algum processo de moagem ou atividade de arraste, agitação ou decantação de partículas, principalmente do manuseio de campos de algodão e queima de cana-de-açúcar, por exemplo.

O contato direito do organismo humano com esse tipo de poeira acaba gerando alguns tipos de quadros clínicos, como:

  • bissinose (retirada de algodão, manuseio e limpeza de fibras, tecelagem etc.);
  • bagaçose (contato com resíduos secos da cana-de-açúcar, ou o bagaço).

Poeiras metálicas

As poeiras metálicas são originárias de processos envolvendo metais, como lixamento. Elas causam vários sintomas negativos ao corpo, como doenças crônicas no sistema respiratório, febre etc.

Quais são os perigos de inalar poeira?

A poeira é uma partícula que tem o potencial de originar diversos quadros clínicos preocupantes para a saúde. Confira alguns exemplos.

1. Leptospirose

Pelos e dejeções de ratos contaminados podem fazer parte da poeira. Uma vez inalados, são capazes de causar leptospirose. Essa infecção resulta em febre alta, dor de cabeça, complicações musculares e, se não for tratada a tempo, pode gerar danos nos rins e no fígado.

2. Histoplasmose

Pequenas partículas oriundas de penas e dejeções de aves infectadas por fungos — principalmente os pombos — podem causar histoplasmose, caso sejam inaladas por uma pessoa. A histoplasmose também é uma infecção e pode provocar anemia, febre, além de complicações no sistema respiratório.

3. Pneumoconiose

Essa doença pode acometer pessoas que inalam poeiras que contêm, em sua composição, alguns tipos de minerais específicos. É o caso de poeiras de amianto, sílica e talco. Trata-se de um quadro grave de doenças pulmonares crônicas.

A pneumoconiose é o nome de uma doença coletiva que abrange outras mais específicas:

  • asbestose (contato com a poeira de amianto);
  • silicose (contato com a poeira de sílica);
  • talcose (contato com a poeira de talco).

4. Pneumonite

Essa doença se caracteriza pela inflamação dos tecidos pulmonares ou dos bronquíolos. A causa está associada à inalação de poeiras contendo metais, como cádmio e berílio. As consequências para o organismo são semelhantes às da pneumonia. No entanto, podem ser mais brandas dependendo do metal inalado.

5. Asma

A asma consiste em uma grave inflamação dos brônquios e consequente produção de muco espesso — gerando um entupimento das vias aéreas e, às vezes, espasmos musculares.

Essa situação é causada pela exposição a agentes irritantes, como a poeira. Um dos seus principais sintomas é o chiado ao respirar, aperto no peito, falta de ar, tosse e dificuldade na respiração. Esse quadro pode durar alguns minutos ou até mesmo se estender por vários dias.

A crise de asma é desencadeada de maneira individual. Isso significa que nem todos os asmáticos vão sofrer ao entrar em contato com uma determinada substância, como o pólen ou temperaturas mais frias. Infelizmente, ainda não há cura definitiva para esse problema. No entanto, o uso de medicamentos prescritos pelo médico consegue amenizar e muito os sintomas e controlar as crises.

6. Bronquite

A bronquite é a inflamação das vias respiratórias que transportam o ar para os pulmões. Os seus principais sintomas são: problemas para respirar, dores e desconforto no peito, tosse seca e às vezes acompanhada de muco. Os tratamentos para a recuperação da bronquite consistem no uso de medicamentos antialérgicos, e, se for necessário, o médico pode fazer a prescrição de antibióticos.

A bronquite pode ser aguda ou crônica.

  • bronquite aguda: é bastante comum, tem uma curta duração, costuma ser desencadeada pelo contato com vírus e costuma vir junto de resfriados;
  • bronquite crônica: é uma doença pulmonar obstrutiva crônica, que dura bastante tempo e é ocasionada principalmente pela inalação de poeiras, gases tóxicos e poluição.

7. Rinite alérgica

A rinite alérgica é uma reação do sistema imunológico do corpo provocada pela inalação de partículas estranhas. Assim, quando a pessoa entra em contato com fragmentos de poeira e substâncias nocivas, seu organismo reage tentando reagir e expelir a partícula. Aí começam a surgir crises de espirros, coceira no nariz, coriza, tosse, entre outros sintomas.

A poeira doméstica é um dos principais fatores que desencadeiam o surgimento de cries de rinite alérgica (fungos, ácaros, bactérias, pólen, resíduos de pele humana).

O controle e o combate da rinite alérgica consistem em manter o ambiente arejado, ventilado e livre de objetos que acumulem poeira. Além disso, o tratamento envolve o uso de medicamentos anti-histamínicos e descongestionantes nasais, além de corticosteroides. Outra recomendação muito útil é a imunoterapia — um tratamento que utilizada vacinas antialérgicas para contornar o problema.

8. Cancro do pulmão

O cancro do pulmão, ou câncer do pulmão, é um sintoma muito grave que pode ocasionar a morte do indivíduo. Ele é uma espécie de neoplasia pulmonar que se caracteriza pelo crescimento celular acelerado e descontrolado das células do pulmão. Uma das suas causas conhecidas é a exposição ao amianto, uma partícula extremamente tóxica.

Confira os principais sintomas do cancro do pulmão:

  • tosse permanente que pode conter sangue;
  • dor e pressão constante no peito;
  • falta de ar;
  • asma, pneumonia ou bronquite;
  • inchaço do pescoço;
  • fadiga.

Como limpar corretamente os ambientes para manter a saúde respiratória?

A prevenção das doenças respiratórias ocorre de várias formas. O ideal é deixar o ambiente sempre arejado, bastante ventilado e ter o hábito de fazer uma limpeza com frequência.

Antes de começar a limpeza, use um aparelho de proteção respiratória, como uma máscara facial. Caso você comece a notar o surgimento de sintomas incômodos, evite o contato com o ambiente e saia da área contaminada imediatamente. De qualquer forma, é importante consultar um médico regularmente e fazer exames.

Para a limpeza de um ambiente empoeirado, o ideal é utilizar um aspirador de pó. Ele pode ser usado para aspirar chão, tapetes, sofás e demais superfícies. E o melhor: sem deixar a poeira se espalhar. Na falta de um aspirador de pó, é recomendável o uso das vassouras MOP. Fabricadas em tecido felpudo, são extremamente eficazes para aderir ao pó, além de serem fáceis de limpar e passar pelas superfícies. Sempre que puder, use um pano umedecido para remover a poeira. Aderida à água, ela não vai se espalhar para outras partes do ambiente.

Confira mais algumas dicas de como deixar o ambiente limpo e, assim, manter a saúde respiratória bem cuidada:

  • mantenha os cômodos sempre limpos;
  • abra as janelas e deixe o ar circular;
  • evite o acúmulo de umidade nos ambientes;
  • forre os móveis com capas impermeáveis e que podem ser facilmente limpas;
  • faça a troca e lavagem de tecidos, como fronhas, lençóis, edredons e toalhas de maneira regular;
  • utilize panos úmidos para limpar a mobília da casa;
  • utilize um aspirador para retirar a poeira de tapetes, carpete, cortinas e persianas;
  • evite que os animais fiquem soltos livremente pela casa, pois eles soltam pelos;
  • evite fumar dentro de casa, pois o tabaco é prejudicial ao aparelho respiratório;
  • evite acumular objetos que juntam poeira (livros, revistas, brinquedos de pelúcia);
  • limpe o filtro do ar-condicionado, ele acumula muita poeira e partículas que podem prejudicar o sistema respiratório;
  • faça uma vedação de espaços extras, como aquele entre o piso e a porta;
  • use tapetes na porta de entrada para que os moradores limpem a sola do sapato antes de entrar em casa.

Como vimos neste artigo, inalar poeira apresenta vários perigos e pode causar uma queda na imunidade, além de desencadear vários sintomas negativos. Ela pode ser a causa daquela gripe constante que você tem e não sabe o motivo, por exemplo. Nesse sentido, é preciso tomar alguns cuidados para evitar adoecer e manter a saúde respiratória bem cuidada. Por isso, fique de olho na limpeza e evite acumular poeira na sua casa.

Gostou de saber mais sobre a relação entre poeira e saúde respiratória? Quer continuar acompanhando outros conteúdos como este? Assine a nossa newsletter e continue bem informado sobre todas as novidades dentro da área de saúde!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.