O intestino comanda o corpo? Entenda!

O intestino comanda o corpo? Entenda!

Ainda hoje existe a ideia de que o intestino assume funções secundárias nas atividades do nosso corpo. É comum as pessoas dizerem que ele serve apenas para expulsar os alimentos já ingeridos e processados pelo organismo. Mas isso não é inteiramente verdade. Muito mais que coadjuvante, pode-se considerar que o intestino comanda o corpo.

Essa constatação veio a partir de uma série de pesquisas realizadas no âmbito da neurociência da Medicina Ocidental, que vieram confirmar o que a Medicina Oriental já acreditava há milênios. Hoje sabe-se que é muito mais complexa e importante a função desse órgão.

Esse é o assunto que vamos abordar aqui. Acompanhe este texto e conheça a trajetória pela qual o intestino tem passado na história da Medicina e qual seu impacto na saúde como um todo. Também descubra as maneiras de potencializar o bom funcionamento desse órgão. Confira!

O intestino comanda o corpo? Como surgiu essa ideia?

A ideia de que o intestino comanda o corpo veio da tradição da Medicina Oriental. Essa concepção é originária da análise de que o intestino é responsável por assimilar o essencial e descartar o inútil. Nesse sentido, quando o corpo não vai bem, é sinal de que está com algum problema no funcionamento intestinal. 

Por isso que na cultura oriental é comum o hábito de observar o aspecto das fezes. Afinal, acredita-se que o ato de defecar mantém a ordem e o ritmo de muitas outras funções do organismo. 

Por exemplo, quando ocorre uma alteração ou bloqueio da função de absorver a água, é comum surgir o quadro de diarreia ou constipação. 

Com base nesse conhecimento, a Medicina Oriental desenvolveu diversas maneiras de fazer com que o intestino seja revigorado. Por exemplo, foram criadas várias técnicas de massagem, acupuntura e seleção de alimentos que trabalham de maneira mais eficiente na saúde do intestino. 

Medicina Oriental e Medicina Ocidental

A partir do século XX, com as pesquisas de neurociências, começou-se a perceber, de maneira mais investigativa, o que a Medicina Oriental já tinha suspeitado: o intestino funciona como um segundo cérebro. 

Essa concepção diz respeito à capacidade de o intestino operar de maneira autônoma e independente dos comandos neurais superiores, advindos do nosso cérebro.

Estima-se que o intestino tenha mais de 100 milhões de neurônios e milhares de terminações nervosas sensitivas, além de ser o local onde se concentram de 70 a 80% das células imunológicas.

Dessa maneira, a Medicina Ocidental veio endossar que a Medicina Oriental estava correta quando considerou o intestino como um grande e importante órgão. Por isso, ele não deve ser negligenciado. 

Por que a saúde do intestino é tão importante?

 

O intestino desempenha diversas funções. Por exemplo, ele é responsável por metabolizar nutrientes e controlar o armazenamento de gorduras. Também tem a função de barrar microrganismos que podem causar doenças, atuando para turbinar o sistema imunológico

Por isso que o intestino que não está saudável começa a apresentar efeitos negativos para a saúde. Nesse cenário, ele reduz a sua capacidade de absorver nutrientes, o que pode causar carências importantes, como os quadros de anemia.  

O intestino fragilizado também permite que circulem na corrente sanguínea microrganismos danosos para outros órgãos. Esse quadro pode gerar alergias, doenças autoimunes, problemas no fígado, infecção no trato urinário e até mesmo câncer. 

O intestino que não está saudável também pode trazer efeitos para o sistema nervoso central. Isso interfere diretamente nas emoções e no comportamento do organismo do indivíduo. Tanto que essa é uma das razões para explicar os desenvolvimentos em potencial de doenças mentais, como a ansiedade e a depressão. 

Quais os fatores que contribuem para a saúde do intestino?

Como função primordial, o intestino recebe e metaboliza os nutrientes ingeridos pela boca. Para que essa metabolização seja eficiente, ele conta com a ajuda de microrganismos benéficos que se hospedam nele. A saúde desses microrganismos interfere diretamente no bom funcionamento do intestino. É o que veremos a seguir. 

A importância da microbiota saudável

A microbiota pode ser entendida como o conjunto de microrganismos que residem no trato digestivo, especialmente no intestino. São aproximadamente 40 trilhões de microrganismos de diversas espécies que habitam esse local. Entre eles estão bactérias, fungos e vírus. 

Esses microrganismos da microbiota são benéficos e têm funções importantes no processo de funcionamento do intestino. 

Por exemplo, podem reduzir flatulência e constipação, regular funções fisiológicas, trabalhar contra parasitas humanos, entre outras funções. Portanto, uma microbiota saudável é capaz de fazer com que o nosso sistema digestivo seja equilibrado. 

O poder dos alimentos que ingerimos

O equilíbrio dos microrganismos do intestino é influenciado pelos nutrientes que ingerimos. Muitos deles podem servir como probióticos, ou seja, como alimento para os microrganismos benéficos do nosso intestino. A seguir, vamos conhecer alguns dos alimentos que têm essa função e outros que não ajudam tanto o nosso corpo. 

Feijão

Os feijões fazem parte da família das leguminosas, que é composta pela ervilha e soja, por exemplo. Eles têm fibras solúveis que servem de alimento para bactérias benéficas do intestino. 

Dessa forma, o feijão ajuda no funcionamento da flora intestinal, além de trazer grandes nutrientes que podem beneficiar outros órgãos. Portanto, ele deve estar presente nas refeições diárias. 

Alcachofra

A alcachofra é popularmente reconhecida por suas propriedades digestivas. Isso porque ela conta com uma substância chamada cinarina, responsável pela estimulação da bile, outra substância que realiza a dissolução de gordura. Por isso, o consumo de alcachofra dá um efeito de que a comida está menos pesada.  

Banana verde

Ao ser ingerida ainda verde, a banana pode ser uma importante aliada da saúde do intestino. Isso porque nessa fase a banana tem amido resistente, o qual alimenta as bactérias benéficas do intestino, tendo efeito probiótico. 

Contudo, a recomendação é não ingerir a banana verde in natura, pois o sabor pode ser bastante desagradável. O ideal é que seja feita a biomassa de banana verde. 

Esse processo pode ser realizado colocando a banana verde para cozinhar em panela de pressão por alguns minutos. Após, essa biomassa pode ser utilizada em tortas, cremes e até mesmo no brigadeiro. 

Cebola e alho

Se você gosta de temperar a sua comida com cebola e alho, saiba que está ajudando a saúde do seu intestino. Isso porque esses itens têm frutooligossacarídeos (FOS), uma espécie de açúcar que serve de alimento para as bactérias boas do intestino. E detalhe: esse açúcar não faz a pessoa engordar. 

Iogurtes, bebidas lácteas e kefir

No mercado, existem diversas opções de iogurtes e outras bebidas lácteas com lactobacilos que ajudam a alimentar as bactérias benéficas do organismo. Existe também uma opção natural, vinda do kefir.

Trata-se de uma versão caseira do processo de fermentação de grãos que pode ser adicionada ao leite ou à água. O kefir tem função probiótica e pode ser utilizado em diversas receitas. É considerado excelente para o funcionamento do intestino. 

Frutas em geral

As frutas são ótimas fontes de fibras. Diante da sua diversidade, elas podem fazer parte da dieta sem cansar o paladar. Por exemplo, ao ingerir frutas vermelhas, como amora e framboesa, você consegue ter 4 gramas de fibras em apenas meia xícara.

Já o kiwi apresenta 5 gramas de fibras em sua composição, além de conter vitaminas para o sistema imunológico e nutrientes que contribuem para o bom funcionamento do intestino. 

Ainda, o consumo da pêra é recomendado, pois ela conta com cerca de cinco a seis gramas de fibra e pouquíssimas calorias. Nesse sentido, é importante aumentar o consumo de frutas, incluindo também esses alimentos em sucos, saladas e iogurtes, por exemplo.

Batatas e mix de nozes

As batatas também são ótimas aliadas do intestino. Elas têm um elevado nível de fibra, principalmente na casca. Por isso, da próxima vez em que você fizer uma batata-doce, tente não tirar a casca ao prepará-la. 

Também é importante dar atenção às nozes, amêndoas e castanhas. Elas são ricas em fibras e têm a conhecida gordura boa. Essa combinação contribui para o bom funcionamento do intestino. 

Pão integral

O pão integral deve fazer parte de sua dieta. Isso porque ele contém alta quantidade de fibras graças aos seus ingredientes, que não passam pelo processo de refinamento. Além do trigo integral, esses pães costumam vir com castanhas e grãos cheios de benefícios para o regulamento do intestino.

Arroz branco

Se o arroz branco estiver presente em grande parte do seu prato, talvez você esteja criando um impasse com seu intestino. Isso porque esse alimento é paupérrimo em teor de fibras. Assim, ele não ajuda a formar o bolo fecal. Por isso, não pode ser o único cereal da sua dieta. 

Felizmente, o arroz branco é consumido durante as refeições com outros alimentos que contêm fibras. Por exemplo, as leguminosas, como o feijão, as verduras e os legumes. No entanto, se você puder, prefira consumir o arroz integral, pois ele conta com uma maior quantidade de fibras e ajuda a alimentar as bactérias boas. 

Alimentos ricos em farinha refinada

O pão francês da padaria, o macarrão e os biscoitos industrializados geralmente são feitos com farinha refinada. Esse tipo de farinha prejudica o movimento intestinal e o fluxo da comida no intestino

Por isso, é importante evitar que alimentos feitos com farinha refinada sejam a maioria na sua alimentação diária. É preciso diversificar, encontrando itens que tenham fontes fibrosas mais interessantes. 

Frituras

Apesar de serem extremamente saborosas, as frituras não podem fazer parte do seu prato com frequência. Isso porque elas são difíceis de digerir, pelo fato de terem um alto grau de gorduras saturadas, o que aumenta a constipação intestinal. 

Além disso, o consumo excessivo de frituras pode trazer o desenvolvimento de bactérias maléficas no intestino, promovendo doenças inflamatórias. 

Bebidas alcoólicas

O álcool tem um efeito diurético no organismo, o que provoca a desidratação. Essa situação ocasiona constipação intestinal. Outro efeito colateral é que beber muito também pode causar diarreia, uma vez que o etanol acelera a digestão.

Como um especialista pode ajudar na saúde do intestino?

Como um especialista pode ajudar na saúde do intestino?

 

Por mais que as pessoas consigam entender as propriedades do intestino e os nutrientes que podem ou não ajudar a potencializar o seu funcionamento, nada melhor do que procurar a ajuda de um profissional capaz de nos oferecer um tratamento e as recomendações adequadas. 

É o caso, por exemplo, de procurar a ajuda de um nutricionista para que seja elaborada uma dieta favorável ao bom funcionamento do intestino.

Esse profissional conseguirá indicar as porções corretas nas refeições, possibilitando uma alimentação mais equilibrada, em que haja a presença de fibras, vitaminas e outros nutrientes fundamentais. 

A ajuda profissional também pode ser interessante para diagnosticar doenças no intestino. Geralmente, as pessoas enfrentam problemas de alergias e outras situações relacionadas ao trato intestinal. Com a ajuda de um profissional, será possível identificar a origem dessas doenças, bem como o tratamento. 

Existe alguma relação entre os aspectos emocionais e a saúde do intestino?

Sim, no intestino há a presença de uma ampla e variada gama de neurotransmissores que estão relacionados à saúde mental. Esse é o caso da serotonina e da dopamina. 

A serotonina é responsável pelo processo de regulação do humor, do sono, do apetite e também das funções intelectuais. Já a dopamina, outro neurotransmissor, também tem um impacto importante nas funções de humor, cognição e aprendizagem. 

A dopamina ainda estimula a sensação de felicidade diante de situações agradáveis. Diante desses benefícios, quando há falta desses neurotransmissores, é possível que a pessoa desenvolva quadros de depressão e ansiedade. 

O sistema imunológico sofre influência da saúde do intestino?

Cerca de 70% das células imunes do corpo estão presentes no intestino. Dessa forma, a microbiota intestinal desempenha um importante papel no desenvolvimento e na regulação do sistema imunológico. 

Esse processo se dá porque as bactérias presentes no intestino facilitam a metabolização de nutrientes e se colocam resistentes a invasores patogênicos. Dessa maneira, as células do corpo evitam o contato com esses invasores. Isso pode beneficiar inclusive outros órgãos, como os pulmões, além do trato urinário.

Essas foram algumas informações sobre como o intestino comanda o corpo. Diante do atual cenário de pandemia do coronavírus, é fundamental saber como aumentar a imunidade. Neste texto, conseguimos ver que o intestino é um dos órgão que mais desempenham ações contra agentes infecciosos. Dessa forma, turbine a sua alimentação, a fim de que ela seja mais amigável para o intestino, consumindo bastante água e alimentos ricos em fibras e probióticos.

Quer receber em seu e-mail mais dicas para se manter saudável? Assine a nossa newsletter!

Faça seu cadastro e receba tudo por email!

Confira também

X Cadastre-se Faça seu cadastro e receba nossas novidades.